terça-feira, 4 de outubro de 2011

will you count me in?



Não é novidade para ninguém que essa música me leva para um paraíso que é (quase) só meu, onde os dias e as noites são quentes de amor e vodka, e as horas passam rápido/lento, numa velocidade que sugere que a felicidade é infinita, e que não existe relógio ou hora ou conta pra pagar.

E ai, quando ela me cai de paraquedas no bolso, acontece a maior/melhor lembrança que alguém pode ter. Aquela que me faz ver caminhando, o sol batendo delicioso nos meus crocks pretos recém saídos da máquina de lavar. O uniforme azul, ou o jeans, ou o preto - os muitos uniformes que foram trocando a medida que eu ia mudando em mim - quando sai de casa, limpo, cheirando àquele amaciante da loja de um dollar (o mesmo uniforme que a noite volta cheio de molho, gordura e amor; e o mesmo crock que fica no meio da sala, esperando a reclamação da Anna).

Não importa o tempo. De verdade. Estamos quatro anos depois. E tudo mudou, mas tudo permaneceu. Permaneceu o amor, e a vontade de estarmos juntos. A gente ainda faz todos os esforços!!!! A gente ainda abusa desse amor todo dia, a cada dia, o dia todo!!!!

Só de pensar que em duas semanas podemos estar cinco dos dez juntos, parece que eu tenho certeza que a vida é justa, que Deus é bom, que existe para sempre e que nada nunca vai mudar a sensação boa que me dá lembrar do corredor mais decorado/colorido, e da sala mais cheia de bolas/balões/corações/CORAÇÕES/bial do mundo...

Wherever you go, guys, eu vou estar lá, sempre. sempre. sempre. MESMO! E, eu tenho certeza que vocês também...

Um comentário:

Érica disse...

Luluuuuu ameiiiiiiii!!!!
Essas lembranças estarão guardadas sempre na memória e no coração de cada um de nós. As lembranças e o amor que só a gente entende, e como entende!
Esse amor todo é recíproco e saber isto me conforta na saudade!
Sou MUITO feliz por ter vivido aqueles 4 meses ao lado de pessoas que completam a minha vida!!!
AMO TODOS!