terça-feira, 8 de maio de 2018

energia

eu tenho sempre tendencia a acreditar que energia boa contagia. mas a verdade eh que toda energia contagia. seja boa, com astral no alto, ou a energia pesada com a vibe ruim. geralmente contagia mais a mais forte.

estou ha dois dias nessa angustia do julgamento, dormindo mal, torcendo para dar tudo certo com meu amigo amado. e ai hoje, depois de uma noite daquelas de ansiedade, agitacao e muita energia positiva, deu tudo certo. amem. como agradecer? so deixar a vida e fazer o melhor de mim para ser melhor pro mundo.

ai me junto de toda a energia que eu tenho para respirar, sorrir e trabalhar. venho com o meu melhor sorriso, venho com todo o amor e com toda essa energia positiva, que vibra alto e forte.
ai quando eu chego eu me dou de cara com o oposto exato. com o outro lado. o dark e sombrio lado de uma energia pesada. carregada mesmo.

eu tenho me blindar. tento respirar. tento contagiar. 

IMPOSSIVEL.

juro que eu to tentando, juro que eu to fazendo o esforco que eu posso, que eu ja sai algumas vezes so pra respirar, e que ate entao a coisa esta sob controle. mas eh como se o tempo passasse do avesso. olhar pro relogio e contar os minutos para ir embora e eles nao passarem.

chamar as pessoas que eu amo, conversar, procurar por docura, por carinho e por coisas que me animam.
e ainda assim isso nao esta resolvendo.

e o pior. eh que eh uma energia pesada tao alta, que esta absolutamente todo mundo tocado por ela. ela esta completamente impregnada. mesmo escrevendo nao alivia. como pode?


acho que ha muito tempo eu nao experimentava essa sensacao de escrever e nao esclarecer.
uau.

acho que eu preciso ler, entao.
la vou eu.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

a mais completa procrastinacao

desde que o ano virou, e o visto saiu, e a gente voltou, as coisas começar a dar muito certo/errado.
ao mesmo passo que tudo que eu pedi - e como pedi - foi indo para o seu devido lugar, o meu coração foi ficando mais angustiado, mais apertado, mais perdido e sem saber muito bem o que/como sentir.

a chegada na casa do Danilo foi dificil, porque desde que eu cheguei a relação com eles esta MUITO dificil. eh difícil em mil esferas que eu não sei descrever.
eh dificil porque nao tem grana, cliente, tem a relação pessoal deles com eles, comigo, a sensação de ser a bola da vez que não passa e que me angustia.
eu to realmente emocionalmente exausta de tudo isso.

e ainda que eu saiba o quanto eh bom escrever, e o quanto escrever esclarece, eu sinto que venho deixando os dias pensando no problema (quase uma escrita mental) mas não estou resolvendo muito nada - embora ja tenha evoluído sim, muito.

(paro para mandar uma mensagem que anda no caminho que eu quero andar e isso eh bom e reconfortante. ja me sinto mais animada, me movendo para algum lugar)

(ligo Dido. porque eu sou uma pessoa de hábitos)

do nada me vem um vontade impensável de voltar a adolescência e a falta de problemas. e ao papai.
fuck. ate a dido me faz chorar de saudade do papai.
tudo me faz chorar de saudade do papai...


parece que eu vou deixando o tempo passar, e tentando fechar a ferida. mas quanto mais frágil eu estou (emocionalmente), também mais a flor da pele eu fico. e mais eu choro, por tudo e por nada.

(eu sinto essa necessidade de contextualizar, pq em algum ponto eu do futuro preciso me reler para me visitar, e entender porque eu estou sentindo isso - mas ao mesmo tempo, eh sempre tudo e tanto, que eu não sei muito bem como continuar).

mas vamos a onde eu queria chegar (aonde ou a onde? a onde, ne? vamos ate onde eu queria chegar...)

procrastinacao.
um dia todo (ou tres, mas nao quatro pqe hoje eu não vou permitir) de fazer nada. ligada completamente no automático.
sabe a angustia que isso da?
absurda.
ai vamos a meditacao. saio de la nova. eh incrivel. (ali, a situacao, estar com a Gi aqui em casa vivendo isso tudo comigo), mas ai uma mensagem me desestabiliza, me bagunça.

e eu percebo que, de fato, nao da pra ficar como esta.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

todo o peso do mundo nas costas

a vida tem andado assim. um 7x1 todo dia. mas agora, passou do limite. extrapolou. abusou.

parece que é o que me disse a menina do garoto: toda vez que sinto que as coisas estão prestes a se realizar, vem a vida e me arranca tudo a força, num movimento rápido, mas profundo. como uma facada no pescoço, daquelas que quase mata, mas não mata.
te deixa ali.
naquela sobrevida.
o sangue escorre de você, de conta gotas. o ar vai rareando, fica mais difícil respirar.
choro.
choro.

e aí vai vindo aquele calor. aquela sensação de duvidar, que controla todos os sentidos e os movimentos.

***

dentro daquela sala em plena wallstreet a notícia de que a vida não é mais o que eu tentei fazer dela. o  chao se abriu 33 pisos abaixo dos meus pés e eu fui caindo caindo caindo.......

muda tudo. corre com tudo. poe a vida on hold e recomeça. outra vez.
dessa vez não fui eu quem chutou o balde.
o balde que me chutou.
ou - well... - quem é o grande responsável por esse circo todo.

***

eu poderia falar só sobre ele e sobre as escolhas erradas que tomamos a vida. e essa foi. mas chega, porque já foi gasta energia demais, e agora é hora de encontrar forças sabe Deus lá aonde. sabe a vida lá aonde.
que seja.
vou ver minha mãe, vou ver meus amigos, vou me agarrar no meu irmão.
espero que o dudu me veja, e que a gente se veja, e que a gente passe por cima pisoteando mais essa, fortes e impávidos. que a gente encontre tanta luz dentro da gente, que pareça a times square.


segunda-feira, 28 de agosto de 2017

verao

aquela bagunca. cor. musica. luz. bronze.
aquele cheiro.
comida. comida boa. se encher de tudo que eh bom.

pele bronzeada. festa. muda os planos.
banho, biquini, carnaval, bloco, beijo, pele, bloco, carrinho de supermercado, vinho e baseado.


terça-feira, 15 de agosto de 2017

de vez em quando eu me pego olhando as pessoas que fizeram parte da minha vida e hoje ja nao sei nem mais pra que lado andaram. gente que estudou comigo na escola, na faculdade, que foi amigo de verao, de play, de rua, gente que cresceu perto, filho de amigos dos meus pais, gatinhos (ou nem tao gatinhos assim) do passado, etc.

hoje mesmo tava contando pro dudu um verao que eu "namorei" um carinha que passou o verao viajando. quando a gente se reencontrou eu ja nao queria mais nada com ele. tempo perdido.
lembrei outro dia de um amigo da escola q era muito amigo, que eu passava as tardes junto fazendo nada, que eu era super grudada - e ai do nada, la atras, ele acabou indo pra faculdade, casou, teve filho. tudo cedo, tudo rapido, e eu nunca mais nem falei.
sei la. mil historias.

ai agora tava eu aqui, olhando no facebook uns irmaos que estudaram comigo na escola, la em itaperuna e que eu suponho que sejam medicos. pode ser puro preconceito meu, e se olhar de um jeito com amor da ate pra achar isso bom, mas olhando daqui parece que nao passou um dia. que seguem os mesmos. mesmas historias, mesmos objetivos, mesmos amigos, mesmos lugares, mesmos sonhos, ate as mesmas roupas.

nao olho pra isso com desafeto. olho com um pouco/muito de alivio. mas ao mesmo tempo sei que independente de onde eu esteja eu sou sempre essa metamorfose ambulante e ia ser absolutamente impossivel eu seguir fazer o que quer que fosse por tanto tempo.


quanto mais longe e louco a vida me leva, mais um vou curtindo o caminho. me adaptando as mudancas, me jogando nas novidades. e ai eu olho pra tudo e me acho mega careta, e penso que nao me arrisco, e penso que nao faco nada de novo nunca. dai do nada vem um tapa na cara desses numa terca feira, bem na hora do almoco, dizendo "vc acha que muda pouco? olha ao seu redor - ou pelo menos o que costumava ser o seu redor"

porque redor redor mesmo nao eh, ne. ao meu redor, downtown miami, um monte de celular tocando, uma correria daquelas. uma vida totalmente diferente do que eu tinha ha um mes e meio atras. tudo novo de novo. e la vamos nos. qual a proxima mudanca?

(gostaria imensamente que fosse i) aproveitar verdadeiramente o verao ii) virar uma pessoa dessas fitness malucas por uns 6 meses ate chegar no corpo / habitos certos - depois relaxar, mas mais consciente). por enquanto estava bom. bronze e saude. temos cachorro. temos loucura correria DDM. temos vida pulsando. temos dudu fazendo o que gosta. prazos. mais correria. ah! em breve tem NY! uhul.

sábado, 15 de julho de 2017

no vai e vem dos seus quadris

tantos anos depois e eu te acho lindo. delicioso. e eu adoro tanto tudo em você.
sobretudo, quando é sábado e a gente tá jogado na cama, com as pernas entrelaçadas, e você deixa a mão na minha bunda, esquentando com carinho meu corpo, e sua barba passeia na minha nuca, e eu ganho um monte dos seus beijinhos doces no meu/seu ombro.